BEM VINDO




26 de set de 2010

Teoria das Inteligências Múltiplas

Perguntas e Respostas
O que esta teoria apresenta de novidades para a área educacional?


Basicamente, os estudos do Prof. Gardner falam da pluralidade das inteligências, onde o aprendiz é possuidor de um espectro de competências que podem ser desenvolvidas, o que é bem diferente do conceito de sujeito inteligente ou não, mensurado e rotulado pelo seu QI. A teoria das I.M. abre possibilidades de potencialização de outras competências além daquelas trabalhadas nas áreas lógico-matemática e lingüística.

Na prática, qual é a diferença entre estas duas concepções?

Se o aluno for encarado como "pouco inteligente" por apresentar dificuldades em matemática, na lógica das ciências e na expressão lingüística, pouco ou nada poderá ser feito por ele, a não ser deixar que se evada dos bancos escolares. Por outro lado, na concepção das I.M. este aluno poderá desenvolver-se em outras áreas, tais como: musical, espacial, corporal-cinestésica, pictórica, naturalista, interpessoal e intrapessoal. Conhecendo estas outras possibilidades, o professor poderá mediar a aprendizagem nestas diferentes áreas e o aluno considerado "pouco inteligente" poderá desenvolver outras competências de seu espectro e se tornar um excelente artista plástico, atleta, político, ecologista etc.

Mas, como teoria, ela não apresenta referências metodológicas. Como é que o professor pode aplicá-la em seu dia-a-dia?

Gardner fornece algumas pistas, ao contar alguns exemplos de sucesso nas escolas americanas. Destas pistas, enfatizo particularmente o trabalho com Projeto, uma prática que, acredito, pode dar oportunidades a diferentes ações e estímulos nas diferentes áreas do conhecimento.

De certa forma, as escolas dizem já trabalhar com Projetos. Qual é então a novidade?

Não existe novidade além da forma com que são concebidos estes Projetos. Uma série isolada de matemática, por exemplo, sobre cálculo de áreas das bandeiras e do campo de futebol, não pode ser chamada de Projeto Copa do Mundo. Na concepção ideal de Projetos, o trabalho deve acontecer de forma interdisciplinar envolvendo diferentes atividades, onde o aluno se coloca diante de diferentes ações e experenciações, levantando hipóteses, descobrindo fatos, criando, depurando os resultados, recriando novas hipóteses e finalmente expondo seus resultados. Tudo acontecendo com ambiente e ações apropriados, recebendo diferentes estímulos necessários ao desenvolvimento das I.M. Outro grande problema da escola reside na não sistematização desse tipo de dinâmica, talvez até por desconhecer as etapas fundamentais de um Projeto.

 
O senhor falou em interdisciplinaridade. As escolas não escontram muitas dificuldades para colocá-la em prática?

Sim, é verdade, mas não é por isto que ela deverá ser descartada. Na realidade, a dificuldade em trabalhar de forma interdisciplinar é que o tema fica para todos e, na prática, não fica para ninguém. Acredito que uma boa forma de trabalhar a interdisciplinaridade é "dar um pai à criança", função que considero poder ser executada pela disciplina Ciências como elo deste processo, ou ainda, trabalhando com a concepção ideal de Projeto.

Qual a vantagem de se trabalhar desta forma?

Para o aluno, é uma forma de tirá-lo da passividade e colocá-lo diante de oportunidades de participar ativamente de seu processo

de construção do conhecimento. Ao professor, é um auxílio para trabalhar seus conteúdos, não só de formas conceituais, mas também de formas procedimentais e atitudinais, fatores estes essenciais na formação do sujeito verdadeiramente integral.

Nenhum comentário:

Postar um comentário