BEM VINDO




29 de set de 2010

"Amo como ama o amor. Não conheço nenhuma outra razão para amar senão amar. Que queres que te diga, além de que te amo, se o que quero dizer-te é que te amo"?







Fernando Pessoa

PERGUNTAS CRETINAS.

Qual era o problema do decorador quando ele procurou um médico?

Decoraçao



Batman pegou seu bat-sapato social e seu bat-blazer. Aonde ele foi?

A um Bat-zado



Dois litros de leite atravessaram a rua e foram atropelados. Um morreu, o outro nao, por quê?

Por que um deles era Longa Vida



Porque o elefante nao pega fogo?

Porque ele ja é cinza



Se o cachorro tivesse religiao, qual seria?

Cao-domblé



O que o cavalo foi fazer no orelhao?

Passar um trote



O que dá o cruzamento de pao, queijo e um macaco?

X-panzé



Porque a Angélica nao mata baratas?

Porque ela espera o Maurício Mattar



O que o tomate foi fazer no banco?

Foi tirar extrato.



O que a galinha foi fazer na igreja ?

Assistir a Missa do Galo.



Por que a mata é virgem?

Porque o vento é fresco.



Como as enzimas se reproduzem ?

Fica uma enzima da outra.



Por que a Coca-Cola e a Fanta se dao muito bem?

Porque se a Fanta quebra, a Coca-Cola !



Porque nao é bom guardar o quibe no freezer?

Porque lá dentro ele esfirra.



Por que o galo canta de olhos fechados?

Por que ele já sabe a letra da música decor



Por que o Batman colocou o batmóvel no seguro?

Porque ele tem medo que robin.



Como o Batman faz para que abram a bat-caverna?

Ele bat-palma.



Como se faz omelete de chocolate ?

Com ovos de páscoa !



O que o advogado do frango foi fazer na delegacia ?

Foi soltar a franga.



Para que serve óculos verde ?

Para verde perto…



Para que serve óculos vermelho ?

Para vermelhor…



Para que serve óculos marrom ?

Para ver marromenos… (péssima essa…)



Por que a mulher do Hulk divorciou-se dele ?

Porque ela queria um homem mais maduro…



Por que o jacaré tirou o jacarezinho da escola?

Porque ele réptil de ano.



Você conhece a piada do fotógrafo ?

Ainda nao foi revelada.



Você sabe qual e o contrário de volátil ?

Vem cá sobrinho.



Como se fala top-less em chinês?

Xem-chu-tian.



Você sabe qual a diferença entre a lagoa e a padaria ?

Na lagoa há sapinho, e na padaria, assa pao.



O que um cromossomo falou pro outro?

Cromossomos bonitos!



Por que bebê de proveta nunca poderá se tornar um bom humorista?

Porque ele nao foi gozado.



Qual o doce favorito do átomo?

Pé-de-moléculas.

Temos piores na PÁGINA INICIAL, Clique Aqui e Veja !

Com que letra começa o seu nome ? Cada letra tem um som e cada som transmite uma energia que influencia, e muito, a personalidade de uma pessoa. Procure a inicial de seu nome ou de seus amigos e descubra o que ela tem a dizer:

A - Dona(o) de uma personalidade ativa e decidida, você é uma pessoa cheia de energia, sempre pronta a se lançar em alguma aventura. Uma vida sem desafios, para você não tem a menor graça. E como também é um(a) líder nato(a), acaba arrastando os outros com o seu entusiasmo. Só tome cuidado para não se tornar um(a) cabeça dura…



B – Você é do tipo que sabe o que quer, e sempre chega lá. Embora viva em busca de prazeres, é muito preocupada com a segurança financeira. Tem hábitos enraizados, uma memória excelente e adora dividir suas experiências com alguém, de preferência com seu amor. Seu aprendizado é lento, mas profundo: depois que aprendeu, nunca mais esquece.! O lado vingativo? O risco de se tornar teimoso(a) e ciumento(a ).



C – Criativo(a), amável e expressivo (a), você é uma pessoa cheia de charme e com uma dose incrível de curiosidade. Tem a maior dificuldade de se concentrar no que está fazendo e não consegue guardar suas idéias só para você: precisa compartilhar tudo com os outros. Festas? Voce adora, e está sempre de bom astral. O único perigo é exagerar a dose e se tornar nervoso(a), quieto(a) e pouco fofoqueiro(a). Mesmo porque você adora “enfeitar” a realidade.



D – Atencioso(a), ligado � família e com um senso maternal enorme, você gosta de se sentir útil e necessário(a) e costuma assumir mais responsabilidades do que pode. Sua palavra é uma só e dificilmente você volta atrás. Muito ocupado(a), está sempre fazendo alguma coisa e dificilmente tem uma hora livre para o lazer. O perigo é se tornar dependente e infantil demais, “sempre pendurado(a) nos outros”.



E – Inteligente e comunicativo(a), você tem necessidade incrível de falar, mas nem sempre diz tudo o que se passa pela sua cabeça. Movida pela razão, só fica bravo(a) quando é desmentido(a) ou contrariado(a). E como pensa muito, também tem dificuldade de se concentrar no que está fazendo. Poderia se tornar um(a) ótimo(a) escritor(a), advogado(a) ou professor(a). Mas precisa controlar seu nervosismo e tomar cuidado para não virar um(a) tagarela.



F - Romântico(a), divertido(a) e cheio(a) de amor para dar, você quer que todos gostem de você, e não economiza gentileza e simpatia. Adora ser o centro das atenções e, da vida, quer apenas o melhor: dinheiro, poder, sucesso… Mas basta aparecer uma criança que seu coração derrete. Quanto ao lado negativo, bem, você tem um certo ar de mandão(dona) e pode se tornar muito egoísta se continuar se preocupando tanto com as coisas e com você. Afinal ninguém tem obrigação de s er perfeito.



G – Sério(a) e honesto(a) no trabalho, você busca a perfeição em tudo o que faz e se aborrece quando as coisas não saem como queria. Pensa muito antes de agir, mas quando decide é capaz de mergulhar de cabeça no que está fazendo e esquecer da vida. Assuntos ligados a saúde são os seus preferidos, e poderia muito bem trabalhar nessa área. Cuidado com a impaciência, que pode levar a um estresse facilmente.



H – Bastante ligado(a) em dinheiro e posição, sua personalidade cresce quando você se vê diante de um desafio. ” Vem quem tem” poderia ser perfeitamente seu lema na vida. E você não fica dias buscando soluções para os problemas: resolve tudo num segundo. Isso sem dúvida, faz de você uma pessoa meio solitária, pouco chegada a brincadeiras e um tanto quanto distante e severa Será que toda essa eficiência não esconde uma certa insegurança?!



I – Carinhoso(a), sensual e muito fiel, você tem necessidade de demonstrar seu amor a todo instante ? e espera que a pessoa amada faça o mesmo. Superprotetor(a) e muito prático(a), está sempre disposto(a) a resolver os problemas dos amigos mais chegados. E costuma ficar bravo(a) quando eles não aceitam sua ajuda ou seus conselhos. Outra grande preocupação sua é o dinheiro, coisa de que você gosta bastante, não? Cuidado para não se tornar uma pessoa muito teimosa, possessiva e dependente.



J – Você joga de igual para igual com qualquer pessoa. Não se sente melhor nem pior que ninguém e tem uma cabeça bastante aberta. Ficar parado(a)? Impossível! Com sua agilidade mental e física, você passa o tempo todo lendo (adora estudar), não perde uma oportunidade de viajar e tem uma paixão pela vida de dar inveja a qualquer um. Só não é legal na hora de julgar os outros ou de dizer certas “verdades” � queima-roupa, sem um pingo de diplomacia.



K – Você tem muito poder! É independente, decidido(a) e tem um magnetismo invejável, mas nem por isso vive anunciando suas qualidades. Ao contrário. Gosta de ficar quieto(a), observando e tirando suas próprias conclusões, sem se preocupar com a opinião alheia. A sensualidade é outro de seus pontos fracos, e você sabe explora-la muito bem. Seus defeitos? Ser ciumento(a), meio(a) possessivo(a), Por isso cuidado com certas manias.



L – Essa coisa de grupo definitivamente não faz sua cabeça. Seu negócio é um de cada vez e, quando sai com um amigo ou um(a) paquera, não quer mais ninguém por perto. Nessas horas você fica totalmente � vontade, e, até tira de letra qualquer desentendimento que possa surgir. Agora, se há uma coisa que deixa você nervoso(a) é ter que tomar uma decisão. Ufa, como é difícil, não? Por isso, � s vezes! , você parecia teimosa(o). Ou preguiçosa(o) e desligada(o). Mas é tudo fuga.



M – Emotivo(a) e muito ligado(a) � família, você exagera nos seus cuidados e corre o risco de sufocar aqueles que ama. Mas isso é porque tem muita energia e precisa manter as mãos e a cabeça sempre ocupadas com alguma coisa. Nas relações de amor ou de amizade, quando se machuca, você se recolhe para dentro de sei mesmo(a) e só sai depois de um pedido de perdão. Quer um conselho? Controle melhor seu temperamento e deixe as pessoas amadas mais na delas.



N – Criativo(a), dinâmico(a) e inteligente, você é um(a) trabalhador(a) incansável, disciplinado(a) e sempre disposto(a) a colaborar com os outros, sem nenhuma outra intenção a não ser a de ajudar. Prático(a) consegue executar tarefas cansativas e monótonas, que a maioria das pessoas detestaria encarar. Mas quando está trabalhando odeia! ser interrompido(a). É muito critico(a) como você mesmo(a) e com os outros.



O – Em casa, rodeada pela família, você se sente uma rainha: assume qualquer responsabilidade, resolve todos os problemas, se emociona com todas as situações. Mas se alguém o(a) magoar é capaz de dias em silêncio, curtindo sua mágoa. Não, você não é vingativa, mas é possível que passo

anos sem falar com a pessoa que o(a) ofendeu. Cuidado! Esse negócio de controlar manipular a vida dos outros pode acabar virando obsessão. E da sua vida, quem cuida?



P – Você busca a paz a qualquer preço, nem que seja… brigando! E nem de longe imagina viver ao lado de pessoas que se relacionam � base de tapas e berros, sejam elas sua mãe, seu pai ou o grande amor da sua vida. Além de paz, seu coração seu coração precisa muito de amor. E você está sempre namorando. Mas que ninguém tente prendê-la ou proibi-la disso ou daquilo, porque, aí, é adeus na certa Só tome cuidado para não julgar e criticar os outros.



Q – Você tem um bom coração e está sempre disposta a ajudar os menos favorecidos. Vive tentando encontrar soluções para os problemas que afligem a humanidade e sabe direitinho como agir quando está interessada em alguma coisa, pois costuma correr atrás do que quer. Em geral é movida pela intuição, que em você é muito forte. O difícil é manter os dois pés no chão e fazer uma coisa de cada vez, já que está sempre envolvida com mil planos.



R – Quando se trata de resolver os problemas dos outros, você pensa e age como se fosse a pessoa mais sábia do mundo. Quando o problema é seu, fica totalmente confuso(a). Isso acontece porque gostaria de decidir as coisas sempre com a cabeça fria. Mas como o coração tem mania de se intrometer nas nossas dúvidas, fica difícil mesmo d! ecidir. Quer um conselho? Controle sua ansiedade e não tenha medo de errar! Essa é uma boa maneira de aprender, sabia?



S – Você sabe perfeitamente o que quer da vida… e sempre consegue chegar lá! Tem a maior habilidade para envolver as pessoas que podem ajudá-la a tocar seus planos e não se importa nem um pouco em fazer um “teatrinho” quando necessário. Sua sensualidade não passa despercebida, e você aprendeu a usar essa arma muito bem. Principalmente entre quatro paredes. O perigo é se tornar muito dominador(a).



T – Você tem tanto amor para dar, tanta compaixão, que é capaz de passar a vida fazendo o bem para os outros, esquecendo que é uma pessoa e que também precisa receber ajuda e amor. Tome cuidado: agindo assim, pode acabar na posição de mártir . Até porque uma aura de santidade você já tem. É lógico que algumas vezes, não consegue perdoar ou esquecer um mal que lhe fizeram. Mas isso é o mínimo que pode fazer para se defender.



U – Amigável, aberto(a) e generoso(a), você é uma pessoa simpática, respeitada e fácil de se lidar Mas quando se trata do seu dinheiro, do seu tempo e de suas preocupações, nada é mais importante. Nem ninguém. Isso, sem dúvida, é um sinal de que você tem muito o que aprender sobre o crescimento da alma. Mas se controlar esse egoísmo e for um pouco mais diplomático(a) no trato com as pessoas, já terá andado metade do caminho.



V – Você é uma lucidez fora do comum, quando se trata de julgar o mundo e as pessoas. E toda vez que abre a boca diz a coisa certa. O problema é que vive com um pé no chão e outro na lua, ligando e desligando sua atenção com uma rapidez incrível. Por, isso muitas vezes, parece estar nem ai com o que ocorre no mundo ou a sua volta. Liberdade, para você, é a coisa mais importante do mundo e, por isso, costuma ! resolver sozinho(a) seus problemas, sem pedir ajuda ou conselho s a ninguém. Ordens? Você detesta, tanto dar quanto receber. Só precisa aprender a controlar sua teimosia.



W – Nada pode deixar você mais feliz do que um elogio. É capaz até de dar uma festa, só porque alguém disse que é bonito(a) Em compensação, costuma entrar na mais profunda depressão quando se sente humilhada ou desrespeitada por alguém. E, em vez de por para fora sua indignação, se esconde e se isola de todos. Com crianças, você se dá super bem e fica totalmente a vontade para demonstrar todo o seu romantismo e sua criatividade. Cuidado! Esse excesso de sensibilidade revela uma certa vaidade pessoal, que precisa ser trabalhada. Pense nisso.



X – Cheia de talentos, você possui muita energia e é capaz de levar seu entusiasmo a extremos, deixando as pessoas atrapalhadas, com a maior dificuldade em acompanhar seu ritmo. Pudera! Você se envolve em mil projetos ao mesmo tempo! E, mesmo que não termine nenhum, agita tanto no começo que é impossível para seus amigos ficarem de fora. Cuidado para não se tornar muito confusa e dispersa, sem saber que rumo tomar. Principalmente nas coisas do coração.



Y – Muito independente, você adora conquistar títulos, pessoas e fãs. É organizada, responsável e leva o maior jeito para ser chefe, pois sabe comandar um grupo como ninguém. Com tudo isso, não é de admirar que tenha um estilo todo próprio de fazer as coisas e não esteja nem aí para o que os outros pensem ou digam. Com o dinheiro, você é até meio pão dura, mas sabe muito bem fazer seu pé-de- meia. Só precisa ter cuidado para não virar uma esnobe. E achar que não há espaço para algumas bobagens em sua vida, principalmente o amor.



Z – Esta é a letra do destino. E se seu nome começa com Z, você tanto pode ser o(a) maior sortudo(a) como ter vários problemas na vida, mesmo que não faça nada para isso. Por outro lado, tem um ótimo coração, muita criatividade e bastante energia física. Gosta de manter uma certa privacidade e tem muitos segredos que não conta para ninguém. Sua personalidade muda bastante, dependendo da situação. E por isso, as vezes, as pessoas não conseguem entende-lo(a). Tente confiar um pouco mais nos outros e… acredite: a felicidade existe!

O Homem E O Avião

O Homem, até os 20 anos se equipara ao Avião de Papel: Apenas vôos rápidos, de curto alcance e duração.



O Homem, dos 20 aos 30: se equipara ao Caça Militar Sempre a postos, 7 dias por semana. Ataca qualquer objetivo. Capaz de

executar várias missões, mesmo quando separadas por curtos intervalos de tempo.



Dos 30 aos 40: Aeronave Comercial de vôos internacionais – Opera em horário regular. Destinos de alto nível. Vôos longos, com

raros sobressaltos. A clientela chega com grande expectativa; ao final, sai cansada, mas satisfeita.



Dos 40 aos 50: Aeronave Comercial de vôos regionais – Mantém horários regulares. Destinos bastante conhecidos e rotineiros. Os vôos nem sempre saem no horário previsto, o que demanda mudanças e adaptações que irritam a clientela.



Dos 50 aos 60: Aeronave de Carga – Preparação intensa e muito trabalho antes da decolagem. Uma vez no ar,

manobra lentamente e proporciona menor conforto durante a viagem. A

clientela é composta majoritariamente por malas e bagulhos diversos.



Dos 60 aos 70: Asa Delta – Exige excelentes condições externas para alçar vôo. Dá um trabalho enorme para decolar e, depois, evita manobras bruscas para não cair antes da hora. Após a aterrissagem, desmonta e guarda o equipamento.



Dos 70 aos 80: Planador – Só voa eventualmente e com auxílio. Repertório de manobras extremamente limitado. Uma vez no chão, precisa de ajuda até para voltar ao hangar.



Após os 80: Modelo em escala – Só enfeite.

O QUE É AMOR?

O amor não é algo que te faz sair do chão e te transporta para lugares que nunca tenha visto.

O nome disso é avião. O amor é outra coisa.



O amor não é uma coisa que esconde dentro de vc e não mostra para ninguém.

Isso se chama vibrador tailandês de três velocidades. O amor é outra coisa.



O amor não é uma coisa que te faz perder a respiração e a fala.

O nome disso é bronquite asmática. O amor é outra coisa.



O amor não é uma coisa que chega de repente e te transforma em refém.

Isso se chama seqüestrador. O amor é outra coisa.



O amor não é uma coisa que voa alto no céu e deixa sua marca por onde passa.

Isso se chama pombo com caganeira. O amor é outra coisa.



O amor não é uma coisa que você pode prender ou botar pra fora de casa quando bem entender.

Isso se chama cachorro. O amor é outra coisa.



O amor não é uma coisa que lançou uma luz sobre você, te levou pra ver estrelas e te trouxe de volta com algo dele dentro de ti.

Isso se chama alienígena. O amor é outra coisa.



O amor não é uma coisa que desapareceu e que, se encontrado, poderia mudar o que está diante de você.

Isso se chama controle remoto de TV. O amor é outra coisa.



“O amor é simplesmente… o amor.”

Quando é que uma fracção representa uma dízima finita?

Uma fracção representa uma dízima finita se o seu denominador fôr um número que possa ser escrito na forma 2nx5n, em que n representa um número inteiro.



Por exemplo, a fracção 3/4 representa uma dízima finita, ou seja, 3/4=0,75. Repara que 4=22x50. Também a fracção 3/12 representa uma dízima finita. Nota que 3/12=0,25. Embora 12 não se possa escrever na forma 2nx5n, isso já acontece se esceveres a fracção na forma irredutivel. Dividindo ambos os termos da fracção por 3, tens 3/12=1/4 e 4, como vimos podes escerver-se na forma indicada.

O 0 É OU NÃO UM NUMERO PAR?

Os números pares e os números ímpares são subconjuntos dos números inteiros.



Se considerarmos n um número inteiro, se esse número for divisivel por 2, então n é um número par sendo n+1 (o seu sucessor) um número ímpar.



Ora, o sucessor de zero é 1, que é um número ímpar. Sendo assim, zero não é um número ímpar, concluindo-se que é par (é divisivel por 2).

Sempre igual ou sempre mudando?

Sempre igual ou sempre mudando?



Deus estava de bobeira em um belo dia, e resolveu criar as plantas e os animais, que já nasceram prontinhos: era nisso que as pessoas acreditavam até o século 18. Essa teoria, chamada de Criacionismo, achava que cada espécie, animal ou vegetal, tinha sido criada independentemente, por ato divino, e era imutável. Só que, no finalzinho do século 18, algumas pessoas começaram a perceber que essa idéia era meio furada.



Um dos primeiros a perceber que os seres vivos não tinham sido sempre iguais foi o Jean Baptiste Lamarck. Em 1809, ele publicou um livro chamado Filosofia Zoológica, em que explicava a teoria criada por ele, e que ficou conhecida como Lei do Uso e Desuso. A idéia do Lamarck era bem simples: ele achava que as mudanças no ambiente faziam os animais e plantas adquirirem novos hábitos, e que esses novos hábitos "criavam" mudanças no organismo deles!



Não deu para entender? Então preste atenção nesse exemplo: o Lamarck acreditava que, há muito tempo, as girafas tinham o pescoço curto. Só que, como elas moravam em um lugar que tinha poucas plantas no chão, as bichinhas começaram a esticar o pescoço para comer as folhas mais altas.Com essa"esticação", as girafas foram ficando pescoçudas, ou seja, como elas precisavam usar mais o pescoço, essa parte do corpo delas se desenvolveu.



E além disso, o Lamarck também achava que, depois que uma girafa desenvolvia um "pescoção", seus filhotes começavam a nascer pescoçudos também: essa era a Lei da Transmissão de Características Adquiridas!



Parece uma idéia legal, né? Só que não é: entre 1868 e 1876, um alemão chamado August Weismann fez uma experiência provando que o Lamarck estava para lá de enganado! O Weismann (que maldade!) cortou o rabo de várias gerações de camundongos e mostrou que, mesmo assim, os filhotes nasciam sempre com rabos! Ou seja, as características adquiridas por uma geração de seres vivos não passava para a próxima. Xi...e agora? Agora entra no jogo um tal de Darwin que vai explicar essa história direitinho...


 

Adaptou? Fica. Não adaptou? Cai fora!



Bom, a idéia do Lamarck era furada, mas serviu para provar que os seres vivos estavam mesmo sempre mudando. Só que faltava alguém para explicar como é que aconteciam essas mudanças. E essa alguém era o inglês Charles Darwin!



Em 1859, o Darwin publicou um livro chamado A Origem das Espécies, e esse livrinho botou fogo nas discussões sobre a evolução dos seres vivos! É que o danado do Darwin simplesmente apareceu com uma idéia totalmente nova: a tal da seleção natural.



Essa teoria que revolucionou a ciência dizia o seguinte: os animais e plantas estão sempre mudando, ao acaso. E, quando coincide de uma dessas "mudanças casuais" ser positiva para uma espécie, ela se mantém, se espalha e acaba virando uma característica da espécie! Ou seja, a natureza "seleciona" os bichos mais adaptados!



Vamos usar as girafinhas de novo para explicar melhor: o Darwin achava que, no meio das populações de girafas, de vez em quando aparecia uma diferente, por acaso. Pode ser que, antes de surgir a primeira girafa de pescoço comprido, tenha aparecido uma de pernas grossas ou de orelhas grandonas. Só que, como esse tipo de modificação não interessava em nada para as bichinhas, essas girafas acabaram morrendo.



Aí, um belo dia, apareceu uma girafa de pescoço comprido. E ela se deu bem: como era altona, conseguia comer mais, ficou mais forte e teve mais filhotes. Seus filhotes, que nasceram com pescoço comprido, também conseguiam mais comida que as girafas "despescoçadas" e também ficaram mais fortes. Com o tempo, as girafas de pescoço curto, que não se adaptaram bem ao ambiente, foram tendo menos filhotes, enquanto as pescoçudas, felizes e bem alimentadas, tinham vários filhotes, também pescoçudos. Até que um dia, todas as girafas de pescoço curto morreram e só sobraram as de pescoço comprido: pronto, a espécie tinha mudado!



E é assim que, ainda hoje, se explica a evolução das espécies. Só que o Darwin esqueceu de um detalhezinho: como é que, no meio de várias girafas de pescoço curto, apareceu uma de pescoço comprido? Milagre?



Uma mãozinha para Darwin



Para preencher esse "buraco" na teoria de Darwin, foi criada uma nova teoria. Ou melhor, uma "meia teoria", que "grudada" na de Darwin, virava uma teoria completa. E ela foi chamada de Neodarwinismo, ou Teoria Sintética da Evolução. O Neodarwinismo, que quer dizer simplesmente "Novo Darwinismo", explica porque, dentro de uma espécie, existem alguns seres que nascem meio diferentes.



Para essa teoria, a resposta está nos genes: é lá dentro que acontecem as "mágicas", que criam bichinhos diferentes no meio de um monte de bichinhos iguais! Um dos principais fatores que determinam essas "mágicas" é a mutação. Ela acontece quando um gene, sem mais nem menos, resolve mudar. Quer dizer, sem mais nem menos, não: existem algumas "coisinhas" que ajudam um gene a mudar. Raios X e radiação, por exemplo, são fatores mutagênicos muito fortes! Pode ter sido um gene mutante quem originou o crescimento do pescoço da primeira girafa "pescoçuda", por exemplo!


Sangue também tem seu tipo!



O sangue de todas as pessoas é vermelho, mas isso não quer dizer que ele é igual para todo mundo, né! Em 1901, o austríaco Karl Landsteiner provou que existiam diferenças nos glóbulos vermelhos do sangue (as hemácias). Foi ele quem descobriu que o sangue humano é dividido em quatro tipos principais: A, B, O e AB. Com essa descoberta, Karl ganhou o Prêmio Nobel de Medicina no dia 12 de dezembro de 1930.



Para quem precisa fazer transfusão de sangue, a descoberta de Karl foi superimportante: não se pode misturar sangue de qualquer jeito. Quem possui sangue do grupo A, pode receber sangue dos tipos A e O. Os do grupo B, podem receber B e O. Já os do grupo AB são grandes sortudos: eles podem receber sangue de qualquer grupo. O contrário acontece com os do grupo O, que só podem receber do próprio tipo. Mas a história não acaba aí, não!

 

Você é universal?



Além dos grupos sangüíneos, para identificar melhor o nosso tipo de sangue é preciso saber qual é o fator Rh dele. Esse fator foi descoberto em 1940 por Landsteiner e Wiener, e recebeu esse nome porque as experiências foram feitas com o macaco do gênero Rhesus.



O Rh pode ser positivo ou negativo. Então, se alguém diz que seu tipo de sangue é AB+, ele quer dizer que você tem sangue do tipo AB com fator Rh+. Mas, se o seu sangue é O-, isso quer dizer que você tem sangue do tipo O com fator Rh-.



Um indivíduo com tipo de sangue O- é chamado de doador universal, porque ele pode doar seu sangue para qualquer pessoa. Já o indivíduo com tipo de sangue AB+ é chamado de receptor universal porque ele pode receber sangue de qualquer pessoa.

 

Descobrindo um outro mundo...



O que seria da biologia se não existisse o microscópio? Pois esse instrumento, usado para observar seres bem pequenininhos, foi inventado em 1590 pelo fabricante de óculos holandês Zaccharias Janssen. De qualquer forma, o microscópio só foi utilizado mesmo na segunda metade do século 17.



Já o microscópio eletrônico foi inventado bem mais tarde: em 1939, pelo físico russo naturalizado norte-americano Vladimir Zworykin. Enquanto o microscópio óptico amplia até 2 mil vezes um ser minúsculo, o microscópio eletrônico consegue um aumento de mais de 1 milhão de vezes!



O microscópio permitiu que os cientistas fizessem um montão de descobertas, pois provou que o mundo é muito mais do que os nossos olhinhos podem enxergar...



Um "não o sei o quê" muito chato



É um bicho? É uma planta? É uma bactéria? Nada disso: é um vírus, uma criaturinha tão estranha que, coitadinho, não pode nem ser chamado de ser vivo...Os vírus são tão "singulares" que não se encaixam em nenhum dos cinco reinos em que estão divididos os seres vivos do nosso planeta - Monera, que são as bactérias; Protista, onde "reinam" as algas, Fungi, o reino dos fungos; Plantae, que são as plantas e Animalia que somos nós, os animais.
 


Mas...o que é que os vírus têm de tão diferente? Bom, para começo de conversa eles são acelulares, ou seja, não são "feitos" de células. "Grande coisa...", você pode estar pensando, mas é uma grande coisa mesmo: as células são o "material" básico para se construir seres vivos! Das minúsculas bactérias aos gigantescos elefantes, tudo que é vivo na Terra é feito de células!



E do que é que são feitos então os vírus?

 
Um embrulhinho de ácido nucléico



Um vírus parece um "micropresentinho malvado". Micro porque ele é muito pequeninho, e a gente só consegue enxergá-lo usando um microscópio eletrônico. Presentinho porque essa criatura não passa de um tipo de "papel de embrulho" em que estão guardados os ácidos nucléicos. Mas vamos explicar isso melhor: o tal do "embrulho" do vírus é chamado de capsídeo. Ele é feito de proteínas, e serve para guardar os ácidos nucléicos. Em alguns vírus, o capsídio é mais sabido e serve também para "reconhecer" as células nas quais ele quer se hospedar.



E esses ácidos nucléicos, o que é que são? Ora bolas, são o DNA e o RNA, o "ingrediente" principal dos nossos genes...e dos vírus também. Mas, enquanto os seres vivos têm tanto o RNA quanto o DNA, os vírus só podem escolher um deles: ou DNA, ou RNA, nunca os dois ao mesmo tempo. E é esse material genético que permite que o "presentinho" faça as suas maldades por aí...
 


Os vírus em ação!



Os cientistas dizem que os vírus são "parasitas intracelulares obrigatórios". Esse "palavrão" quer dizer que os vírus só conseguem viver quando estão morando dentro de uma célula. Mas, espera aí: como é que eles podem "viver" se não são seres vivos? É justamente aí que fica a maior esquisitice dos vírus. Quando estão fora das células, eles não tem nenhuma atividade: não se movem, não se reproduzem, não se alimentam e nem respiram. Essa forma "catatônica" dos vírus é chamada de vírion.



Mas quando um vírion dá de cara com uma célula...a coisa muda de figura. Rapidinho ele se enfia dentro da pobre célula e, hospedado na coitadinha, o vírion vira vírus (isso está parecendo um trava-línguas) e começa a se comportar como um ser vivo!



O problema é que o vírus não é um hóspede nem um pouco educado: quando entra na célula, ele "hipnotiza" a infeliz e faz com que ela comece a fazer só o que o malvado vírus manda. E sabe o que ele obriga a célula "anfitrã" a fazer? Novos vírus! É isso aí, a célula vira uma fábrica de vírus funcionando a todo vapor! Em 20 minutos, a "escrava" já fabricou centenas de novos vírus!



E, se por acaso essa célula estiver no seu corpo...você fica logo doente! As doenças causadas por vírus vão de uma simples gripe até a AIDS, que é fatal.



Deu para sacar que esse micro-sei-lá-o-quê não é nada bonzinho...



AMIGO NUMERO


Amigo número



Para quem não é muito chegado em matemática, parece estranho falar em "números amigáveis". Mas eles existem e, surpresa...não são nada amigáveis! Na verdade, esses tais números estão mais para amigos da onça: é que os cálculos para determinar quais são os números amigáveis são supercomplicados. Preparado? Então lá vai:



Números amigáveis são pares de números (porque, como bons amigos, eles só andam em dupla) onde um é igual à soma dos divisores do outro. Já está pensando em ficar de mal dos números amigáveis? Calminha, que vem aí um exemplo salvador.



Pense no número 220. Quando ele é dividido por 1, 2, 4, 5, 10, 11, 20, 22, 44, 55 e 110, o resultado é um número inteiro. Por isso, esses números são chamados de divisores de 220. Agora, pegue uma calculadora ( ou use seu cérebro brilhante) e some todos esses divisores de 220. O resultado é 284, né? Pois então, agora é que a porca torce o rabo: acontece que se a gente somar os divisores de 284, que são 1, 2, 4, 71 e 142, o resultado é...220! E é por causa dessa coincidência esquisita que o 220 e o 284 são chamados de números amigáveis. E o nome faz sentido, porque muitas vezes é o acaso que faz a gente encontrar nossos melhores amigos, né?




Cruzinha, tracinho, dois tracinhos…



"4+3-1= 6". Preste atenção: quando a gente dá de cara com uma continha como essa, nosso cérebro sem "pestanejar" vai logo lendo "quatro mais três menos um igual a seis". Mas por que a gente não lê "quatro, cruzinha, três, tracinho, um, dois tracinhos, seis"? Ora bolas, porque a gente sabe que a tal da cruzinha é o "mais", o sinal de adição! E que um tracinho quer dizer subtração e dois tracinhos, igualdade!



Mas o que você provavelmente não sabe é que uma cruzinha entre dois números significa adição por causa de um sujeito chamado João Widman d'Eger. O João escreveu um livro em 1498 chamado Aritimética Comercial, que foi a "estréia" dos sinais de "mais" e "menos"! Só que nesse livro os sinais ainda não tinham o mesmo siginificado que eles têm hoje: "mais" e "menos" serviam só para dizer se um negócio havia dado lucro ou prejuízo!



Eles só viraram símbolos matemáticos em 1557, quando começaram a ser usados por Robert Record. Alías, o Record foi responsável pelo nascimento de um outro sinal superimportante: os dois tracinhos da igualdade, que deram o ar de sua graça pela primeira vez em um livro do Robert publicado em 1540!




Litemática a ou materatura?



Matemática é uma coisa, literatura é outra. E as duas não tem nada a ver, certo?. Para o Malba Tahan, não podia estar mais errado: esse escritor árabe, nascido em 1885, achava que matemática e literatura se misturavam superbem! E foi "casando" essas duas disciplinas que o Malba escreveu uma série de livros incríveis.



O mais famoso deles, chamado "O Homem Que Calculava", contava um monte de "histórias matemáticas". Em cada capítulo havia um "problema" que o Beremiz , o tal homem que calculava lá do título, devia resolver. E ele sempre resolvia! Só que o tal problema não era uma equação complicada e chata, não: era uma história legal, prática, que fazia a gente notar que a matemática, além de superútil, pode ser muito divertida.



Mas esse escritor maluco não misturou só matemática e literatura: ele também fez um "milkshake" de fantasia e de verdade. É que o Malba Tahan não se chamava Malba Tahan, não era árabe nem tinha nascido em 1885 coisa nenhuma!



Na "vida real", ele era um professor de matemática, o brasileiro Júlio César de Mello e Souza, que tinha nascido dez anos depois de sua "invenção", em 1895! O Júlio inventou o nome e a história do Malba Tahan porque ele achava que assim seus livros iriam vender mais.



E deu certo: por muito tempo, ninguém descobriu que Malba Tahan era o pseudônimo do Júlio, e um batalhão de pessoas comprou os livros de "contos aritiméticos" do árabe de araque!


O Que É Capicua; A História do Tempo e O Pai da Geometria.

 

Um dia especial!



Se você acha que aquele 10 que você tirou na prova de matemática foi um momento único na sua vida, pode ir mudando de idéia... É que às 20 horas e 02 minutos do dia 20 de fevereiro de 2002 acontece uma coisa muito rara no nosso calendário: um "momento" capicua!



Capicuas são números que podem ser lidos da esquerda para a direita, e vice-versa, como 343, 22122, 998899, etc. Leia mais no item abaixo.



Este será o terceiro e penúltimo "momento-capicua" possível... O primeiro aconteceu às 10h01m do dia 10/01 de 1001. O segundo foi há quase 900 anos: às 11h11m do dia 11/11 de 1111.



Portanto aproveite, pois o próximo e último "momento-capicua" só daqui a 110 anos: às 21h12 de 21/12 de 2112!

 

O capicua e o ascendente



Você não faz idéia do que possa ser um número capicua? Pois o conceito é bem simples: sabe aqueles números que podem ser lidos de trás para frente sem mudar nadinha? Por exemplo: 88, 797, 3223, 46564 e assim por diante.



Para descobrir um número capicua a partir de outro, basta inverter a ordem dos algarismos e somar com o número que aparecer. Quer um exemplo? O número 27. Invertendo os algarismos, teremos o número 72, certo? Agora, basta somar: 27+72=99, que é um número capicua. Fácil, né!



O número ascendente é mais simples ainda! Para um número ser ascendente, o algarismo anterior tem que ser menor que o posterior. Por exemplo: 123, 579, 2478, 13568 e vários outros!! Quem disse que tudo na matemática é difícil?

 

A história do tempo...



Se hoje você leva uma vida regrada (acorda às seis da manhã para entrar na escola às sete, almoça ao meio-dia e dorme às oito da noite) é porque, um dia, alguém teve que estabelecer as horas e os dias, não é mesmo? "É verdade, mas quem teve essa idéia?"



Na verdade, não existiu uma única pessoa mas, sim, uma civilização: os sumérios. Esse povo vivia no sul da Mesopotâmia, lá no Oriente Médio. Em grego, Mesopotâmia quer dizer "entre rios", pois essa região ficava entre os rios Tigre e Eufrates.



Em 1800 antes de Cristo, os sumérios utilizavam o sistema caldeu, que possuía 60 símbolos. Esse sistema é o equivalente aos dez algarismos que utilizamos (0,1,2,3,4,5,6,7,8,9). É por causa desses 60 símbolos que uma hora é dividida em 60 minutos e o dia e a noite têm 12 horas (12 é quinta parte de 60, certo?). Pela mesma razão, o ano é dividido em 12 meses.

 

O pai da geometria

 
Você já ouviu falar de um matemático grego chamado Euclides? Ele é o pai da geometria, uma ciência matemática que é muito útil no nosso dia-a-dia.



Ninguém sabe ao certo quando Euclides viveu, mas acredita-se que tenha sido entre os séculos 4 e 3 antes de Cristo. Foi ele quem fundou em Alexandria, durante o reinado de Ptolomeu I, a primeira escola de matemática!



Euclides levava tão a sério a geometria, que escreveu um livro superimportante sobre esse assunto: Elementos, uma obra com 13 volumes. Um outro livro, não tão conhecido (mas não menos importante) é o Fenômenos, que trata da geometria aplicada à astronomia. Isso sim é que um pai dedicado ao "filho"!!



Letras disfarçadas de números

Letras disfarçadas de números



Para ler alguma coisa escrita em um língua, a gente tem que saber falar essa tal língua, né? Mas você já reparou que uma coisa escrita em japonês parece muito mais difícil de entender do que uma outra escrita em inglês, ou francês? É que, no Japão, as pessoas não só falam uma língua diferente da nossa, como também usam um outro alfabeto!

- Tudo bem mas...o que isso tem a ver com matemática?

Bom, o "alfabeto" da matemática são os números, certo? E, assim como existem vários tipos de alfabetos, também existem vários sistemas de numeração!



Um desses sistemas foi criado pelos romanos, um povo que foi muito importante durante a Idade Antiga, e que construiu um império enorme. Esse sistema foi chamado de...sistema romano!



Olhando para o sistema romano, a gente nota logo de cara que ele tem uma coisa muito diferente do sistema de numeração com o qual a gente está acostumado. Ou melhor, ele não tem uma coisa: números!



Parece estranho, não? Afinal, como é que um sistema numérico pode não ter números? Bom, é que, na hora de escolher um jeito de representar quantidades, os romanos resolveram usar a letras do alfabeto deles.



É isso aí, nesse sistema, cada letra "vale" uma quantidade de números. Mas, como os números são infinitos e as letras, não, os romanos tiveram que rebolar para "encaixar" todas as quantidades possíveis em algumas letrinhas. E eles conseguiram fazer a coisa tão bem que nem precisaram usar todas as letras do alfabeto!



Nesse sistema, as únicas letras usadas são I, V, X, L, C, D e M.

Cada uma delas tem um valor:

o I vale 1, o V vale 5, o X vale 10, o L vale 50, o C vale 100, o D vale 500, e o M vale mil.

Mas...parece que está faltando número aí! E o 2, o 3, e o 4? Onde estão o 20, o 30, o 40, o 60...? Calminha, os romanos não eram nada bobos e deram um jeito de representar todos os números nessas 7 letrinhas...



Os romanos faziam XIXI?



Soma: essa é a palavra-chave para entender o sistema de numeração romano. Pense comigo: o que é o 2? Não é a soma de 1 e 1? Pois então, na hora de representar o dois, os romanos simplesmente colocavam duas vezes o número 1, ou melhor, a letra I! Dois, em "romano", é II. E três? É III.

- Ah, então é claro que o quatro é IIII, certo?

Errado! Acontece que, uma das regrinhas que os romanos inventaram foi a de que cada letra só pode ser repetida três vezes. Por isso, em vez de IIII, o quatro romano é escrito assim: IV. Mas porque?



É que, nesse caso, a gente usa o contrário da soma, que é a subtração. O quatro não é igual a cinco menos um? Pois então,o jeito que os romanos descobriram de representar isso é colocar o um, ou melhor, o I, antes do cinco, quer dizer, do V. Daí, o quatro "virou" IV, ou seja, um antes do cinco, ou cinco menos um!



E o seis? É só somar o cinco e o um: VI. O sete é VII, o oito VIII e o nove...IX, ou seja, "um antes do dez"! Deu para entender que esse tal "um antes" é uma regrinha que vale sempre. O dezenove, por exemplo, é XIX, ou seja, X+ IX, que em bom português quer dizer 10 + 9 (ou dez mais "um antes do dez")



Resumindo essa regra: quando um número (ou mais de um) vem escrito à direita de um numeral maior do que ele, você soma o valor(ou os valores) do menor ao do maior. Se o número menor vem escrito à esquerda de um número maior, você subtrai o valor do menor.



Meio complicado, né? E daqui para a frente só piora! Quanto maior o número, mais letras entram nele. Pense em um número bem difícil. Aposto que foi 3.739, adivinhei? É, eu sou meio paranormal...

Pois então, em "romanês", esse número fica assim: M + M + M (três vezes mil) + D + C +C (quinhentos mais duas vezes cem) + X + X + IX (duas vezes dez mais nove) = MMMDCCXXIX. Ufa!



Deu para sacar que o tal XIXI lá do título não existe de verdade, né? Para escrever 22, que é o que ele vale, nós fariamos assim: XXII.


 

O tracinho salvador e o problema da posição



Mas...se a letra de valor mais alto que existe no sistema romano é o mil (o M) , e se cada letra só pode ser repetida 3 vezes, então o maior número possível nesse sistema é 3.999 ( que se escreve MMMCMXCIX)! Nada disso: é aí que entra o tracinho salvador. Os danados dos romanos inventaram que é só colocar um tracinho em cima de um número para multiplicá-lo por mil! Ou seja, colocando um traço em cima do V, ele vira num passe de mágica...5.000! Para multiplicar por um milhão, é só colocar dois tracinhos, e assim vai. Essa parte foi simples, não?



Então, para completar a história, só falta falar de uma outra diferença entre o sistema romano e o sistema decimal (o que a gente usa). Preste atenção nesse número: 173. Olhou bem? Então responda: quanto vale o 7 nesse numeral? Setenta! Aqui, o 1 vale cem, o 7 vale setenta e o 3 vale três mesmo. Somados, eles "viram" 173! Mas, se a gente mudar a ordem, mudam os valores: em 371, por exemplo, o 3 não vale mais três, não. Ele agora vale trezentos. E o 1, que antes valia 100, agora vale só 1.



Por causa disso, esse nosso sistema é chamado de posicional. Isso quer dizer que a posição de um número define o quanto ele vale.



E o sistema romano? Esse é aposicional. No número XXI, cada X vale 10 e o I vale I, somado 21. E se, em vez de 21, a gente der uma espiada no XIX? Aqui, a soma dos números é 19, mas cada X continua valendo 10, e o I ainda vale 1. Ou seja, a posição não "mexe" no valor de um número.



Xi, que embananação!