BEM VINDO




28 de ago de 2010

O direito de brincar

O direito de brincar

Na contramão do mercado, um selecionado grupo de escolas particulares da cidade de São Paulo, incapaz de atender a todos os pedidos de matrícula, criou uma prova para selecionar candidatos a vagas de ensino fundamental e médio. O chamado “Vestibulinho” - uma das preocupações até a pouco exclusivas da elite paulistana, disposta a bancar uma mensalidade acima de R$ 1.000,00 - tornou-se, na semana passada, foco de polêmica nacional.



Com direito a apoio do ministro Cristovam Buarque, o Conselho Nacional de Educação recomendou a proibição dos 'Vestibulinhos”. Motivo: os testes gerariam em crianças tão pequenas uma ansiedade destrutiva, abalando-lhes a auto-estima.



Mas será que a responsabilidade do estresse é das escolas que aplicam o teste ou dos pais que submetem seus filhos ao processo de seleção precoce?



Por conta da busca do sucesso, uma tendência se espalha na sociedade - e explica, em parte, por que os pais submetem seus filhos ao “vestibulinho”.



Crianças de famílias mais rica tem um cotidiano de executivo, ocupadas de manhã até à noite. Tudo isso em nome do futuro, mais precisamente, em nome do vestibular, porta para as melhores faculdades.



Talvez não exista como substituir o vestibular enquanto houver, nos cursos mais concorridos, mais candidatos do que vagas - aliás é exatamente isso o que ocorre no seletíssimo grupo de escolas que aplicam os “vestibulinhos”, disputadas por que as famílias confiam em sua qualidade.



Mas o vestibular como instrumento de avaliação de aptidões é inútil; mede, no máximo, conhecimento passageiro e descartável.



Educar é ensinar o encanto da possibilidade, e aprender a sentir a emoção da descoberta. Gostar de aprender sempre é o melhor (e o mais útil) que uma escola pode ensinar a seus estudantes. O resto é detalhe.



Somente progride, de verdade, em sua profissão quem gosta de aprender, basta ver o histórico das pessoas que atingiram sucesso profissional.



Ansiosos, os pais querem que seus filhos aprendam rapidamente a ler e a escrever, quando deveriam apenas saborear a “contação” de histórias.



As crianças ganham computadores e são obrigadas a brincar com jogos educativos, muitas são submetidas a programações culturais maçantes. Quando crescem, são empurradas para os mais diferentes tipos de curso complementar.



Certamente, nada contra programações culturais, domínio da leitura, da escrita e da informática e contra os cursos de línguas. O problema surge quando se atinge em nome do futuro o direito de brincar -e se arrisca, então, o próprio futuro.



Ou simplesmente ficar sem fazer nada vendo as coisas, quaisquer coisas passarem, entretido com o canto de um passarinho. Cutucar a terra, descobrir a minhoca, cortá-Ia em pedaços e car as várias partes se contorcerem. É ficar sentado, intrigando com as cores do arco-íris.



Na brincadeira, unem-se o prazer e o aprendizado. Todos os grandes profissionais que conheci trabalham como se estivessem brincando. Até podem gostar de ganhar muito dinheiro, mas, provavelmente, fariam o que fazem (e com o mesmo empenho) por pouco dinheiro.



Dizem que a exceção confirma a regra, mas ainda não vi, nesse caso, a exceção: quanto mais longe vai o indivíduo, mais prazer ele tem naquilo que faz. Por isso ele suporta tanto estresse e frustração - o preço que é cobrado pelo alto desempenho.



Mesmo que curse a melhor faculdade e tire ótimas notas, o estudante não vai muito longe se não tiver aprendido, dentro ou fora da escola, onde está o melhor de si próprio. Isso significa que o pior que pode acontecer a um adulto é ter matado a sua criança brincalhona.



Para ser um profissional razoável, estudo e empenho já são um bom caminho. Para ser bom, além de estudo e empenho, exigem-se talento e intuição. Mas para ser inovador e superar os patamares da excelência, é preciso, além de tudo isso, sentir-se sempre e intensamente a emoção da descoberta - ou seja, gostar de brincar.



PS - Por obrigação profissional, vivo metido no meio de pessoas de sucesso, marcadas pela notável superação de limites. Vejo como o brilho provoca a ansiedade do reconhecimento permanente. Aplauso vicia. Arriscando-me aqui a fazer psicologia de botequim, frase de livro de auto-ajuda ou reflexões vulgares da meia-idade, exponho uma desconfiança: o adulto que gosta de brincar e não faz sucesso tem, em contrapartida, a magnífica chance de ser mais feliz, livre do vício do aplauso, mais próximo das coisas simples. O problema é que parece ridículo uma escola informar aos alunos que mais importante do que gerar bons profissionais, máquinas de produção, é fazer pessoas felizes por serem o que são e gostarem do que gostam.

Nenhum comentário:

Postar um comentário