BEM VINDO




28 de ago de 2010


ALFABETIZAÇÃO: UMA ABORDAGEM REFLEXIVA A CERCA DO PROCESSO DA CONCEPÇÃO DA ESCRITA E DA LEITURA.


Preparando o cenário para a construção:

A alfabetização de uma maneira geral tem sido uma questão bastante discutida, principalmente pelos profissionais de educação, por se observar ainda uma grande dificuldade na aprendizagem da leitura e da escrita da criança. Atualmente esta questão vem recebendo atenção especial, principalmente se considerarmos a alfabetização não apenas como o aprendizado da leitura e da escrita, mas a importância de todo o seu contexto sócio-cultural, histórico e econômico, o qual está inserido o sujeito, tendo como base o contexto de letramento muito defendido por Magda Soares, Doutora em Educação, Licenciada em Letras, que da ênfase a discussão da importância de uma alfabetização voltada a um contexto, onde a leitura e a escrita tenham sentido com o real. É preciso defender assim como Palacios (2007), a importância da linguagem relacionada também as bases maturativas da criança e a estimulação da aquisição desta linguagem levando-se em consideração processos básicos essenciais para o seu desenvolvimento.

Torna-se essencial perceber que todas estas preocupações, não são recentes, vários teóricos discutiram e vem discutindo a importância de ver a criança não como uma tabula rasa, ou como um adulto em miniatura, mas como um ser em construção, sendo importante o entendimento da sua maturação emocional, intelectual, tão bem defendida também pelo filósofo norte-americano John Dewey (2006) que em publicação na revista Nova Escola, busca refletir seus métodos na constante reconstrução da experiência. Observando também o importante papel da escola no desenvolvimento contínuo do sujeito para a transformação, a formação de um sujeito critico e reflexivo da sua realidade. Todo este contexto deve estimular o conhecimento, a criança deve buscar constantemente o seu aprendizado orientado pelos seus estágios de desenvolvimento em que as crianças estão inseridas.

A alfabetização das crianças de 0 a 6 anos, deve levar em consideração as idéias que a criança já adquiriu sobre o processo da escrita e da leitura antes de ser inserida no ambiente escolar. Na sala de aula, atividades estimularão o processo de ensino-aprendizagem oportunizando avanço na concepção do sistema escrito e oral. Inicialmente a diferenciação dos traços do desenho, aos poucos vai se estabelecendo critérios quantitativos e qualitativos das letras e relacionada a formação das palavras, vão também se estabelecendo as relações entre a escrita e o som, imagens e palavras. Porém cabe aqui ressaltar que de uma maneira geral, todos estes conhecimentos, hoje possíveis, deve-se a Emilia Ferreiro e Ana Teberosky que possibilitaram na década de 70 a construção de uma didática da alfabetização, considerando a criança como um ser que constrói conhecimento.

Após a inserção da criança na escola, a alfabetização é sem dúvida o momento mais importante da formação escolar, e infelizmente o que ainda presenciamos, é um desconhecimento da realidade lingüística da criança pelos profissionais de educação, como também pelos livros didáticos, podendo aqui nos referir a doutora em Educação, Silvia Colello em entrevista ao guia prático de professores da educação infantil (2008), quando relata que não se aprende a ler e a escrever memorizando a relação de letras e sons ou de exercitar coordenação motora, é preciso proporcionar desafios associando-os aos seus propósitos, banir exercícios mecânicos de caligrafia e silabação fazendo com que professores e pais entendam o real sentido do que é “ensinar a ler e escrever” e como os alunos aprendem.

De uma maneira geral, alfabetização é definida para muitos como o aprendizado do alfabeto, o sujeito aprende (ou simplesmente memoriza) a gramática e suas variações, porém esta etapa consiste não só na construção das habilidades mecânicas, mas na capacidade de interpretar, compreender, criticar, resignificar, produzindo novos conhecimentos e novas formas de compreender o uso da linguagem. A inserção deste sujeito no mundo real, formando um cidadão crítico e reflexivo esta intrinsecamente relacionada ao seu contexto social.

Ler e escrever são bases fundamentais da alfabetização. Mas cabe aqui desmistificar o que realmente é a leitura e a escrita. Categorias que nortearão inicialmente minha pesquisa. A leitura proporciona autonomia, consciência, muito além da junção de letras, da decifração de imagens. No intuito de desvendar as palavras, a leitura reflete nossas indagações, nossas interferências, nossas inquietudes, nossa própria transformação para que aconteça a modificação do contexto em que estamos inseridos. A leitura é o testemunho oral de nossas percepções e de nossas ações.

A escrita numa perspectiva social é um registro de informações que vão proporcionando a construção de nossos conhecimentos, é por meio dela que se articulam e se chocam os diferentes contextos. É por meio dela, que deixamos nossas marcas no tempo, que contribuímos com a evolução humana do conhecimento. Desde sua origem, a escrita desvenda mistérios, está atrelada ao poder, revela as enormes desigualdades, escandaliza o que é proibido. A invenção da imprensa traz consigo um marco histórico que também se relaciona a concepção da escrita, da ênfase a formação de um sujeito autônomo, espontâneo, que esteja embasado na transformação da sociedade em questão.

Neste intuito, escolhi como foco de minha pesquisa a Escola Municipal Marcionílio Rosa, que nasce de um sonho de transformação, inicialmente do bairro, muito marginalizado pela sociedade, depois da transformação da própria educação. Atualmente podemos observar que este sonho, idealizado pelo Sr° Marcionílio Rosa aos poucos vai se tornando realidade. Apesar das inúmeras dificuldades, a escola hoje é referência na região pela inclusão dos deficientes visuais na escola, na sociedade e pelo trabalho desenvolvido junto ao corpo docente, discente e também da comunidade. Toda a história, as dificuldades que são apresentadas pela escola, observando o poder da escrita e da leitura (do conhecimento), na transformação da sociedade, me remetem a questionar o desenvolvimento do complexo processo de aquisição da escrita e da leitura (se assim podemos ainda definir), a alfabetização, se fazendo necessário refletir acerca do meu problema de pesquisa. Entendendo principalmente como se aprende e não apenas como se ensina, pergunto: Como as crianças de 0 a 6 anos desenvolvem o processo de escrita e de leitura nos diferentes contextos sócio-culturais da Escola Municipal Marcionílio Rosa em Irecê?

Etapas para a construção:

Perceber a importância e a necessidade de se compreender a alfabetização de crianças de 0 a 6 anos na cidade de Irecê, relacionando aos aspectos sócio-culturais e históricos dos sujeitos que estão inseridos no contexto na Escola Municipal Marcionílio Rosa, buscando analisar contrastivamente teorias já discutidas por pesquisadores, a exemplo de Emilia Ferreiro, que a mais de 20 anos no Brasil, chama atenção especialmente dos professores para uma revolução conceitual da alfabetização.

Diante a tudo que foi apresentado até aqui sobre a alfabetização são muitas as questões que norteiam meu estudo que será alcançado com a ajuda de determinados objetivos específicos:

· Compreender a concepção de alfabetização que os professores da Escola municipal Marcionílio Rosa possuem.

· Identificar as principais dificuldades dos sujeitos que estão sendo alfabetizados.

· Descobrir como e se os professores da Escola Municipal Marcionílio Rosa utilizam o modelo teórico construtivista-interacionista proposto por Emilia Ferreiro e Ana Teberosky no livro Psicogênese da Língua Escrita.

· Analisar as práticas e os incentivos desenvolvidos em sala de aula para a aquisição da escrita e da leitura com alunos da alfabetização.

· Compreender o processo de aquisição da escrita e da leitura, contrastando o cotidiano presenciado na turma de alfabetização da Escola Marcionílio Rosa, com as pesquisas já existentes nesta área, identificando suas diversidades no contexto sócio-cultural da alfabetização.

Alicerce da construção

Muitas são as visões a cerca da alfabetização, seja ela de crianças ou de jovens e adultos, muitos são os pesquisadores que discutem a necessidade de se entender a alfabetização não apenas como aprender a ler e escrever, mas buscar a interação também com o contexto social vivenciado pelo aluno. Aqui vamos focar na alfabetização da criança de 0 a 6 anos, tendo como base, pesquisadores a exemplo de Emilia Ferreiro, Ana Teberosky, Magda Soares como as principais referencias. Mas será de extrema importância à relação destes com outros pesquisadores que também discutem a alfabetização, para o aprimoramento de minha pesquisa.

Antes de serem inseridas no processo escolar as crianças já possuem importantes conceitos sobre a escrita e a leitura, a exemplo de como pegar no lápis, que a escrita começa da esquerda para direita, “finge” que lê ao ver as imagens, entre tantas outras situações. Todas estas situações aguça a curiosidade e a vontade de entender os mecanismos já utilizados pelos adultos, sendo evidente nos primeiros anos da formação alfabética quando a criança para em todos os lugares para identificar os sinais gráficos, tudo é muito novo, fascinante.

Uma das grandes pesquisadoras que discute os processos da língua escrita é a psicóloga e a psicolínguista Argentina Emilia Ferreiro que concentra suas pesquisas em mecanismos cognitivos relacionados a leitura e a escrita comprovando o importante papel que a criança tem na construção do seu próprio conhecimento. Assim, diferente do que ouvimos dizer Emilia Ferreiro não desenvolveu um método, mas observou como se realiza a construção da linguagem escrita, percebendo que a criança reinventa a escrita.

Outros pesquisadores também concentraram seus estudos na realidade educacional da alfabetização, a exemplo de Ana Teberosky que também desenvolve pesquisas na área da linguagem, Telma Weisz (2001), uma das idealizadoras do Programa de Formação de Professores (PROFA), relata especialmente a necessidade da conscientização da tarefa de alfabetizar que não é responsabilidade apenas das séries iniciais; Cagliari, explora a alfabetização através da fonética, Magda Soares defensora da alfabetização letrada. Todos estes autores como também outros pesquisadores possuem significativas contribuições para um melhor entendimento da alfabetização. Porém para que realmente se entenda a alfabetização é preciso contextualizá-la inicialmente parafraseando Magda Soares(2004), quando relata a importância de uma alfabetização contextualizada que determina que a alfabetização que deve ser focada sob dois aspectos: aquisição e desenvolvimento da linguagem oral e escrita, porém dar-lhe um significado negaria seu real sentido, afinal, alfabetização ultrapassa apenas o ler e o escrever.

Várias são as perspectivas que norteiam o processo da alfabetização segundo Cagliari (1997), a exemplo da abordagem psicológica que se direciona as condições prévias para a aprendizagem da leitura e da escrita; da psicolingüística que caracteriza a maturidade lingüística da criança; a sociolingüística que focaliza a alfabetização como processo vinculador aos usos sociais da língua destacando as diferenças dialetais, e, por outro lado a lingüística que concebe a alfabetização como um processo de transferência da forma sonora para a forma gráfica da escrita. Assim a criança terá não somente que compreender, mas entender os elementos da linguagem oral e escrita, apropriando-se desta nova aprendizagem.

Neste processo é de fundamental importância e interação da criança com o meio. O processo de alfabetização perpassa por vários fatores, desde o seu desenvolvimento emocional, social da natureza lingüística que está inserido, da relação escola e sociedade, pois o trabalho de alfabetização não se restringe apenas a sala de aula. Assim, faz-se importante também o conhecimento dos estágios de desenvolvimento da percepção da linguagem escrita que são desmistificados no livro Psicogênese da Língua Escrita de Ana Teberosky e Emília Ferreiro, que se dividem em períodos denominados pré-silábico, onde a criança registra garatujas e desenho, símbolos ou letras que se misturam a números, nesta fase também começam a diferenciá-los. Na fase seguinte, a silábica, a criança tem a noção de que cada sílaba corresponde a uma letra. No nível silábico-alfabético a criança precisa negar o nível anterior, o valor sonoro impõe-se forçosamente. No nível alfabético a criança reconstrói o sistema lingüístico e compreende a sua organização. Ao ir desenvolvendo suas percepções, as crianças mesmo ainda não estando inserida no quotidiano escolar, vão imitando letras, diferenciando letras, números e desenhos, fingem que lê estórias que já conhecem ou criam a sua própria estória, porém já conhecem o que se lê e o que não se lê, deste modo, vão aos poucos desenvolvendo o verdadeiro sentido da leitura e da escrita em seu mundo.

 
BASES PARA A CONSTRUÇÃO

O estudo será realizado através da pesquisa qualitativa, que busca a compreensão detalhado dos significados e características situacionais apresentadas pelo objeto de pesquisa em questão, através de uma análise contrastiva entre as teorias já discutidas e as observações realizadas na Escola Municipal Marcionílio Rosa, na tentativa de compreender a concepção da escrita e da leitura nas relações de ensino-aprendizagem nos diferentes contextos histórico-sociais.

Nesta perspectiva a pesquisa qualitativa possuem objetos ilimitados, significados restritos, mas que apresentam grande valor na avaliação dos dados educacionais, até mesmo porque incorporam aspectos ideológicos para análise de uma abordagem crítica evitando generalizações impróprias que segundo, Bernadete Gatti em artigo publicado pela revista Dialogo Educacional(2006), trata a pesquisa como questionadora da ciência responsável pela revolução de paradigmas que repercutem na elaboração de novos conhecimentos, ao mesmo tempo, a saída das informações subsidiadas pelo senso comum revelando a necessidade de se definir uma abordagem, um método, um caminho a ser percorrido. Também, muito bem definido por Edgar Morim (2003) em seu livro Educar na era planetária, que reflete a importância de um pensamento global, da construção de um sujeito pensante e estrategista capaz de provocar uma transformação na acepção do conhecimento gerado principalmente pelas práticas de participação que as interações possibilitam, e pelos constantes e crescentes questionamentos que a viagem da pesquisa proporciona. Porém, para que se consiga atingir o objetivo geral, será necessário orientar os passos a serem seguidos tendo como apoio os objetivos específicos.

· O campo de Pesquisa: Escola Municipal Marcionílio Rosa, localizada no bairro Boa Vista, na cidade de Irecê-BA.

· Turma a ser observada: Alfabetização com foco na concepção da escrita e da leitura.

Segundo Roberto Sidnei (2006) a observação de campo é mais que uma etapa preparatória constitui na realidade, parafraseando Junker (1960) é parte introdutória da ciência social. O dinamismo da realidade estabelece o pensamento critico independente. No caso de pesquisas qualitativas, as observações de campo, segundo Roberto Sidnei (2006), realizam uma verdadeira “garimpagem” de ações, realizações e sentidos.

O estudo de caso, da pesquisa em questão buscará compreender o objeto estudado como único, constituindo a produção de uma teoria respeitando as relações com os sujeitos. Buscando a compreensão do objeto de pesquisa em questão, oriento-me através dos objetivos específicos seguintes:

· Compreender a concepção da alfabetização que os professores da Escola Municipal Marcionílio Rosa possuem.

- Pesquisa bibliográfica sobre as definições e olhares a cerca da alfabetização;

- observações semanais das relações ensino-aprendizagem, aluno-professor;

- entre-vistas (professores, direção, coordenação e alunos);

- análise de documentos (planos de aulas, atividades desenvolvidas e proposta);

- relacionar fatores já observados à história social da escola, dos alunos e professores.

· Identificar as principais dificuldades dos sujeitos que estão sendo alfabetizados.

- Pesquisa bibliográfica das dificuldades enfrentadas pelas crianças em relação ao ensino-aprendizagem e os aspectos históricos-sociais.

- entrevistas com o professor e alunos

- observação de atividades dos alunos, contrastando as dificuldades relatadas e as apresentadas.

- Pesquisa bibliográfica e acadêmica para “possível” intervenção auxiliando o professor para resolução de algumas dificuldades.

· Descobrir como e se os professores da Escola Municipal Marcionílio Rosa utiliza o modelo teórico construtivista-interacionista proposto por Emilia Ferreiro e Ana Teberosky no livro Psicogênese da Língua escrita ( 1999).

- Pesquisa bibliográfica sobre o tema abordado.

- Observações na dinâmica-social da sala de aula.

- Conversa, entre-vistas e entrevistas com o professor e alunos.

· Identificar se os processos da leitura e da escrita ocorrem independentes de seu contexto social.

- Análise das atividades desenvolvidas em sala de aula

- contrastar observações com pesquisas já desenvolvidas

- observar os detalhes da escrita e da leitura desenvolvida pela turma. Se “possível” desenvolvimento de algumas atividades especifica, a exemplo da escrita de um diário da história de vida.

- análise do contexto social da escola em questão.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 
CAGLIARI, Luiz Carlos. Alfabetização e Lingüística. 10 ed. Editora Scipione. São Paulo, SP, 1997.

ESPECIAL GUIA PRÁTICO PARA PROFESSORES – ALFABETIZAÇÃO. Cotia, SP: Editora Lua, n° 12. 2008.

FERREIRO, Emília; TEBEROSKY, Ana. Psicogênese da Língua Escrita. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999.
MACEDO, Roberto Sidnei. Etnopesquisa Critica, etnopesquisa-formação. Brasília. Ed. Líber Livro, 2006.

MORIN, Edgar. Educar na era planetária. O pensamento Complexo como método de aprendizagem pelo e pela incerteza humana. Trad. bras. São Paulo. Ed. Cortez.2003.

REVISTA DIALOGO EDUCACIONAL, Curitiba: Universidade Católica do Paraná, vol 6, n. 19. set/dez. 2006. p. 25 a 35.

SANTOMÉ, Jurjo Torres. Globalização e Interdisciplinaridade – O currículo Integrado. 1 ed. Artes Médicas. Porto Alegre, 1998.

SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

PALACIOS, Jesus. Educação Infantil – Resposta educativa à diversidade. 1 ed. Porto Alegre: Artmed, 2007.

Disponível em: http://www.centrorefeducacional.com.br/contribu.html. Acesso em 31 de março de 2008.

Disponível em: http://revistaescola.abril.com.br/edicoes/0190/aberto/mt_120479.shtml. Acesso em 31 de março de 2008.

Disponível em: http://revistaescola.abril.com.br/edicoes/pdf/Esp_004/john_dewey.pdf Acesso em 26 de abril de 2008.

Disponível em:



Nenhum comentário:

Postar um comentário